Categorias discutem estratégia para reivindicações salariais

Categorias discutem estratégia para reivindicações salariais

Categorias com data base no segundo semestre já iniciaram os preparativos para a campanha salarial. Petroleiros, bancários, metalúrgicos, além de trabalhadores dos correios já iniciaram as discussões sobre o assunto e analisam as formas de resistência contra os ataques do patronato e também da direção da Petrobrás. No contexto geral, a crise política e econômica, as contrarreformas (trabalhista e previdenciária) e a terceirização são fatos preocupantes na atual conjuntura com reflexos nos resultados das campanhas. Outra questão alarmante que devemos nos preocupar são os 73 projetos que tramitam no Congresso Nacional que ameaçam os diretos dos trabalhadores e a própria democracia. Um deles, por exemplo, a PEC 18/11, reduz de 16 para 14 anos a idade para o início da atividade laboral.

A elite golpista, nela incluídos os empresários, e os parlamentares corruptos se uniram para cobrar dos trabalhadores o preço do golpe. Em pouco menos de um ano, foi golpe atrás de golpe: ampliação da terceirização, da reforma trabalhista e agora ameaçam com o fim da aposentadoria.

Na nossa base, petroquímicos, químicos e trabalhadores dos terminais químicos também estão iniciando as discussões da campanha salarial. Devido à conjuntura difícil, estamos promovendo debates sobre a reforma trabalhista e os reflexos para a organização sindical e os direitos dos trabalhadores toda segunda-feira pela manhã que estão abertos à participação da categoria. Outro momento importante de discussão acontecerá no sábado 19/08, às 9h, com a realização do seminário preparatório da campanha salarial, no auditório do Sindiquímica. Seus direitos estão ameaçados, não fique de braços cruzados, por isso, compareça, participe e contribua com sugestões para a campanha salarial!

Veja como anda a campanha em outras categorias com data base no segundo semestre

Petroleiros

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) se reunirá com a direção da Petrobrás no dia 18 para iniciar as discussões da campanha salarial. A FUP vai entregar a Pauta de Reivindicações aprovada no XVII Confup. A plenária final do Congresso, realizada no dia 06 de agosto, em Salvador, deliberou que a campanha reivindicatória dos trabalhadores do Sistema Petrobrás será pela manutenção do atual Acordo Coletivo de Trabalho e reajuste salarial. Os petroleiros cobram reposição integral da inflação pelo ICV/Dieese e ganho real. O maior desafio da categoria continua sendo barrar a privatização do Sistema Petrobrás. Por isso, o XVII Confup também aprovou a Pauta pelo Brasil, que servirá de base na construção de propostas para que a Petrobrás volte a ser uma empresa integrada de energia e indutora do desenvolvimento nacional.

Bancários

Bancários da Caixa Econômica Federal (CEF) participaram na terça-feira (17) do Dia Nacional de Luta para exigir da Caixa mais respeito aos direitos dos empregados e protestar contra a precarização das condições de trabalho. A reestruturação em curso desde o dia 17 de julho causará prejuízo não somente aos empregados, mas à sociedade em geral. Em relação á campanha salarial, o Comando Nacional dos Bancários apresentou à Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), no dia 08 uma proposta de Termo de Compromisso que proteja empregos, resguarde direitos históricos e que delimite os atos nocivos que podem advir das referidas leis e de outras que ainda tramitam no Congresso Nacional.

Metalúrgicos

Na manhã de terça-feira, 15, a Federação dos Metalúrgicos (FEM-CUT/SP) realizou a terceira rodada de negociação com o Grupo 3. Na sede do Sindipeças, as cláusulas pré-existentes foram debatidas. O setor patronal nega avanços nas cláusulas que não tem impacto econômico, como por exemplo, o aumento da licença paternidade para 20 dias e aumento do período da licença amamentação.

e-max.it: your social media marketing partner