Mulheres CUTistas debatem Democracia e Direitos.

Mulheres CUTistas debatem Democracia e Direitos.

No próximo dia 13 de março, no primeiro dia do Fórum Social Mundial, que acontece em Salvador, na Bahia, na sua 13ª edição, com o protagonismo de debater políticas públicas que venha de fato contrapor a hegemonia agressiva atual que retira direitos de todos os trabalhadores, além de debates como genocídios, futuro do trabalho, migrações, acessibilidade, democracia, LGBT, saúde, educação e direitos, um total de 1500 atividades, em 5 dias do fórum.

Um dos pontos altos da Tenda Futuro do Trabalho da CUT, será a oficina das mulheres CUTistas, com título: Mulheres – Democracia e Direitos, no dia 13 de março, de 9 às 11 horas, com o debates com diversas personalidades feministas.

Para a Secretária de Mulheres da CUTBA, Luciola Semião, a “liberdade, o respeito aos direitos humanos, sociais e o princípio da organização são valores que constituem os valores que são pilares da democracia, que efetiva os direitos humanos e qualidade uma sociedade, por isso, esse tema é importante para dialogar e propor ações diretas que tenham impactos na sociedade”, explicou Luciola.

Pelos dados do PNUD no Brasil, apenas 76 países são democráticos, o que equivale 49% da população mundial. Com esses números, que a pauta de defesa é ampla. De acordo com a secretária de comunicação da CUTBA, Lucivaldina Brito, agir é mudar a realidade. “Um plano de ação para as pessoas, o planeta e a prosperidade -, defender a erradicação da pobreza, o fomento da mulher na política e a adoção de medidas para a proteção de mulheres vitimas da violência, são alguns pontos principais do debate”, pontuou Lucivaldina.

“Não temos dúvida de que a democracia é o modelo mais eficaz de abrir espaços de participação politica e social, principalmente aos que mais sofrem. É importante renovação dos nossos compromissos com a sociedade, não esquecendo que estamos perdendo todos os direitos com as reformas malditas”, desabafou a secretária, “além disso, vamos defender um sistema de comunicação ou rede pública de comunicação, com maior qualidade e participação”, completou a secretária de comunicação.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, 10% da população de cada país é portadora de algum tipo de deficiência física, sensorial ou mental. No Brasil, o Censo Demográfico 2000 indicou que aproximadamente 24,5 milhões de pessoas, 14,5% da população total, apresentaram algum tipo de incapacidade ou deficiência.

O Brasil está incluído nos chamados países em desenvolvimento, pois os índices de deficiência estão relacionados à situação econômica e social, que vem se agravando após a reforma trabalhista aprovada. Por esse razão e outras, nas regiões Norte e Nordeste do país, a incidência de casos de deficiência é mais elevado, conforme Censo de 2000.

“Falar sobre o problema é o primeiro passo, Principalmente em relação a uma área que muitas vezes é esquecida, de propósito, então o FSM e a oficina de mulheres servem para criarmos um avanço, uma melhor divulgação maior conscientização maior sobre a relevância de darmos uma atenção a todas as pessoas com deficiência”, explicou Anaildes Andrade, do Coletivo de Acessibilidade da CUTBA.

A Oficina das Mulheres acontece no dia 13 de março, no primeiro dia doa Fórum Social Mundial, na Tenda Futuro do Trabalho da CUT, com capacidade para 120 pessoas, as inscrições já podem ser feitas.

Foram convidadas para participar da oficina: a vice-presidente da CUT nacional, Carmen Foro; a secretária nacional de Relações do Trabalho da CUT, Graça Costa e a professora da UFBA, Patricia Valim. O debate será mediado por Luciola Semião.

Ofcina: Mulheres, Democracia e direitos

Terça-feira 13 de março, das 9h às 11h30, na Tenda da CUT

Marcha das Mulheres

Dentro do Fórum Social Mundial, no dia 16/03, às 9h, no estádio Pituaçu, acontecerá a Assembleia Mundial de Mulheres que deve mobilizar mais de trinta mil participantes de todo o planeta.  A presidenta eleita democraticamente, Dilma Rousseff, e a ex-presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, são alguns dos nomes que estarão presentes na Assembleia Mundial das Mulheres, que tem como objetivo debater questões de gênero, feminismo e outras lutas.

Caminhada das Mulheres

As mulheres cutistas estarão presentes na Caminhada das Mulheres, no 8 de março.

Mulheres na luta por direitos iguais, contra o feminicidio, o racismo, a lesbofobia, transfobia e todos os tipos de opressão.

Contribuição: Jelber Cedraz – CUT-BA

e-max.it: your social media marketing partner