1º de Maio histórico de Curitiba é marcado por mensagem de esperança de Lula

1º de Maio histórico de Curitiba é marcado por mensagem de esperança de Lula

O ato unificado de 1º de Maio reuniu mais de 40 mil pessoas na Praça Santos Andrade, em Curitiba que pediram a liberdade de Lula mantido há 25 dias como preso político na sede da Superintendência da Polícia Federal na capital paranaense. A luta por Lula Livre unificou a classe trabalhadora e as sete maiores centrais sindicais brasileiras. “É um dia histórico”, repetiam as lideranças sindicais e políticas que se revezavam no microfone durante o dia todo, ressaltando que na praça havia pessoas vindas dos mais diversos cantos do Brasil, além da participação de lideranças e trabalhadores do mundo todo. Dirigentes do Sindiquímica também estavam presentes no ato, dando sua contribuição e apoio.

Para a CUT, o 1º de maio unificado também lembrou a grave crise econômica, política e social que tomou conta do país desde o golpe de Estado e a violência, estimulada pelas crises econômica e política. “Pela primeira vez temos um ato de 1º de Maio unitário desde o surgimento de todas as centrais sindicais. E é importante destacar isso porque somente Lula foi capaz de nos unificar. Estão todos aqui unidos em defesa de Lula, em defesa da classe trabalhadora”.

Segundo o presidente da CUT, Vagner Freitas, a única chance de retomar a democracia no país e resgatar  os direitos trabalhistas é “garantir a liberdade de Lula para que ele se torne novamente o presidente do Brasil”.  “Dizer Lula Livre, inocente e nosso presidente é o maior instrumento de luta que os trabalhadores têm para terem de volta os direitos retirados pelo governo golpista de Temer. Por isso só sairemos daqui de Curitiba com Lula em liberdade”.

Adilson Araújo, presidente nacional da CTB, destacou a maturidade política das centrais sindicais ao tomar a decisão de realizar um ato histórico e unificado neste 1º de Maio. “O Brasil precisa enxergar os projetos que estão em disputa e essa unidade é um passo importante neste sentido”.

Ao longo do dia, diversos artistas passaram pelo palco do 1º de Maio. O raper Flávio Renegado, a sambista Beth Carvalho, que cantou o samba que compôs em homenagem ao Lula, e a cantora Ana Cañas, além de celebrarem o Dia do Trabalhador e da Trabalhadora com suas rimas e canções, também pediram por Lula Livre e condenaram a prisão política daquele que consideram um dos maiores líderes populares do país. Nesse momento, o público presente, que já havia feito do Lula Livre palavra de ordem, foi ao delírio.

Entre as lideranças políticas presentes no ato do 1º de Maio, estavam os senadores Lindbergh Farias (PT), Vanessa Graziottinn (PCdoB), Roberto Requião (MDB), os deputados Paulo Pimenta (PT), Wadih Damous (PT), Jandira Feghali (PC do B), e os ex-ministros Fernando Haddad e Miguel Rossetto.

Ato unificado também em Salvador

O Farol da Barra foi o palco escolhido pelas centrais sindicais para realizar o ato unificado em Salvador. Uma multidão, trabalhadores e familiares, lideranças das centrais sindicais, políticos e movimentos populares se concentraram no local. Dirigentes sindicais discursaram sobre a defesa dos direitos da classe trabalhadora, o enfrentamento à venda de estatais, geração de empregos, renda e Lula livre.

O presidente da CUT Bahia, Cedro Silva deu início as falas destacando o compromisso das centrais em defender a classe trabalhadora. “Esse grande encontro todos trabalhadores é para discutir como vamos fazer nossa intervenção, todos juntos, para retirar o país dessa crise que se instalou depois que esse governo ilegítimo começou se instalou no Brasil. Um presidente que não pode sair às ruas que é rechaçado pela população...É a vontade do povo que quer Fora Temer e Lula Livre”, destaca.

Após as falas, apresentações musicais acrescentaram de forma lúdica mais energia a luta e com artistas como Catadinho do Samba, Misturafro, Val Macambira que compreendem a atual conjuntura e se posicionam utilizando arte também é uma forma de luta por direitos.

Os atos também foram fortes nas cidades do interior da Bahia. Em Santo Antônio de Jesus foi realizada uma caminhada, já em Feira de Santana aconteceu o Ato Marielle Vive , Lula Livre e apresentações musicais; carreata em Teixeira de Freitas e em Conceição de Feira missa e ato Lula Livre.

Carta de Lula aos trabalhadores

A ilegitimidade de Temer, a maior perda de direitos sociais e trabalhistas do século XX e as escandalosas taxas de desemprego registradas no pós-golpe foram lembrados por Lula na carta lida pela presidenta do PT, Gleisi Hoffmann: “o desemprego cresce e humilha o pai de família e a dona de casa”, disse.

Mas Lula é, antes de tudo, um nordestino forte que acredita em um amanhã melhor. E na carta ele, que está preso em uma solitária, falou em esperança, disse que “o Brasil é possível”, lembrou que já vivemos esse país que dá certo há pouco tempo e pediu para todos terem fé num futuro melhor.

“A esperança que retomamos neste 1º de Maio unificado não é apenas um desejo, é algo que buscamos em nossa luta democrática em todos os dias. Ela nos fortalece para superarmos o triste momento presente e para construir um futuro de paz e prosperidade”, disse Lula na carta que encerrou dando vivas aos trabalhadores e ao Brasil.

Com informações da CUT Brasil e Bahia

 

e-max.it: your social media marketing partner