Patronato recua e aceita redação da cláusula de salvaguarda

Patronato recua e aceita redação da cláusula de salvaguarda

Devido à mobilização dos trabalhadores das empresas de Fertilizantes, houve avanços significativos na negociação desta segunda-feira (26) sobre a campanha salarial. O Siacan (sindicato patronal) aceitou a redação da cláusula de salvaguarda proposta pelo Sindiquímica que protege os direitos dos trabalhadores das medidas implementadas pela reforma trabalhista do presidente golpista Michel Temer (MDB).

Além da cláusula de salvaguarda, os trabalhadores do setor garantiram a renovação da atual Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) e a inflação do período medida pelo INPC que fechou em 2,07%. Outro avanço significativo foi manter as homologações no Sindiquímica para evitar fraudes na rescisão contratual. O patronato também aceitou modificar a redação de alguns itens que com a reforma trabalhista apresenta riscos para os trabalhadores.

Foi tratado, ainda, o transporte. A partir de agora, todas as empresas terão de oferecer transporte gratuito aos trabalhadores.

O Sindiquímica marcou para terça-feira, o início das assembleias para apreciação da proposta. Se for aprovada pela maioria, nesta semana representantes dos dois sindicatos assinarão a Convenção Coletiva.

É importante ressaltar a luta dos trabalhadores do setor que se mantiveram firmes e mobilizados, impedindo o patronato de implementar a reforma trabalhista no setor. Em estado de greve, os trabalhadores estavam dispostos a cruzar os braços para evitar a retirada de direitos.

Leia aqui a ata da negociação

e-max.it: your social media marketing partner