Programação Novembro Negro

Programação Novembro Negro

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) lançou na semana passada o selo de combate ao racismo institucional que será utilizado nos processos e protocolos da instituição. A iniciativa faz parte das atividades do Novembro Negro e tem como objetivo esclarecer informações sobre o racismo institucional. Esse tipo de racismo está previsto no Estatuto da Igualdade Racial e a vítima de preconceito pode abrir denúncia no MP-BA e no Centro de Referência Nelson Mandela (telefone 3117-7448). O racismo institucional consiste em normas, praticas e comportamentos discriminatórios adotados no âmbito do trabalho resultantes de preconceito racial. A iniciativa é apoiada pela Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi).

A Sepromi promoveu também a Semana da Igualdade Racial Mestre Moa do Katendê, de 06 a 09/11. O evento reúne representantes dos movimentos que combatem o racismo, gestores públicos e lideranças dos segmentos tradicionais de diversos territórios, para debater e levantar proposições acerca das políticas afirmativas na Bahia. O evento homenageia uma das mais renomadas personalidades da cultura afro-brasileira e da capoeira, Mestre Moa do Katendê, morto de forma violenta com 12 facadas no dia 08/10, na capital baiana. Moa foi morto por um defensor de Bolsonaro, no Engenho Velho de Brotas.

Mestre Moa, Presente!

Romualdo Rosário da Costa, mais conhecido como  mestre Moa do Katendê, nasceu em 1954 em Salvador, foi capoeirista, compositor, percussionista, artesão e educador. Ogan do Ilê Axé Omin Bain, localizado no Dique Pequeno, se consagrou em 1977 quando foi campeão do Festival da Canção do Ilê Aiyê. Em 1978, Mestre Moa fundou o Afoxé Badauê que marcou a história do carnaval baiano cantado por Gilberto Gil e Caetano Veloso. Através do Grupo Afoxé Amigos de Katendê, criado em 1995 em parceria com amigos, mestre Moa desenvolvia trabalhos em diversas regiões do Brasil e internacionalmente.

Origem da data

No dia 20 de novembro, é celebrado no Brasil o Dia Nacional da Consciência Negra. Essa data foi instituída oficialmente pela lei nº 12.529, de 10 de novembro de 2011, e remete ao dia em que foi morto o líder do Quilombo dos Palmares, Zumbi, no ano de 1695. O Quilombo de Palmares situava-se na Serra da Barriga, na antiga Capitania de Pernambuco – hoje, integra o município de Unidão dos Palmares, no estado de Alagoas –, e foi formado por volta do ano de 1597 por escravos fugitivos das lavouras de cana-de-açúcar da referida capitania. A destruição desse quilombo foi efetuada por um grupo de bandeirantes liderados por Domingos Jorge Velho. Esse mesmo grupo foi responsável pela morte de Zumbi.

O Dia Nacional da Consciência Negra é, portanto, fruto de uma reivindicação de um símbolo histórico (Zumbi). Essa reivindicação começou na década de 1970, quando o Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial, em congresso realizado em 1978, elegeu a figura de Zumbi como símbolo da luta e resistência dos escravos negros no Brasil durante o período de mais de 300 anos em que aqui vigorou o sistema escravocrata.

Programação

20/11 (terça-feira)

9 horas da manhã: lavagem da estátua de Zumbi

Concentração: Afoxé Filhos de Gandhy (R. Maciel de Baixo, 53 - Pelourinho, Salvador - BA, 40026-240)

14 horas: 39º Marcha da Consciência Negra Zumbi dos Palmares - Ato Resistência Zumbi dos Palmares

> Campo Grande até Praça da Sé

e-max.it: your social media marketing partner